FEQUIMFAR e CNTQ fazem Moção contra a extinção da FURP

0
600

CONTRA A EXTINÇÃO DA MAIOR PRODUTORA PÚBLICA DE MEDICAMENTOS NO BRASIL

Nós dirigentes sindicais do setor Químico e Farmacêutico, integrantes da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado de São Paulo e das demais entidades sindicais do Brasil, integrantes da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria Química – CNTQ, reunidos nos dias 16 e 17 de Outubro de 2019, Praia Grande, SP, REPUDIAMOS a decisão do Governo Estadual de São Paulo em extinguir com a FURP –  Fundação para o Remédio Popular, conforme a seguir exposto:

Trata-se de um laboratório farmacêutico oficial do governo do Estado de São Paulo, vinculado à Secretaria de Saúde,  criado em 1968 com o objetivo de fabricar, a preços reduzidos, medicamentos para secretarias estaduais e municipais,  hospitais públicos e santas casas de todo o Brasil. Atualmente 3 mil cidades brasileiras contam com os 40 medicamentos produzidos pela FURP.

Na lista de medicamentos temos os antibióticos, antirretrovirais, anti-hipertensivos, dermatológicos, diuréticos, imunossupressores (para transplantados), hipoglicemiantes (controle do diabetes). Também remédios para tratamento de transtornos mentais, tuberculose e hanseníase. É o único laboratório brasileiro que fabrica  estreptomicina e etambutol, que trata a tuberculose. Também o único que produz derivados da penicilina, que, por serem medicamentos antigos e baratos, poucas empresas têm interesse em produzi-los.

A empresa paulista também é responsável pela produção de inúmeros medicamentos para doenças negligenciadas.

No ano de 2018, a FURP produziu quase 530 milhões de medicamentos para a rede pública.

A extinção da FURP resultará na eliminação de postos de trabalho e consequentemente agravamento do numero de desempregado, assolando ainda mais a crise existente no Brasil. Ressalte-se ainda que a FURP em razão de suas características funciona como reguladora de preços no mercado de medicamentos, cumprindo esse importante papel regulatório.

Ressalte-se, que tal decisão, poderá agravar a falta de medicamentos em hospitais e postos de saúde e em maior dificuldade da população mais carente ter acesso a tratamentos.

Neste sentido, repudiamos de forma veemente a decisão do Governo Estadual de SP em extinguir a FURP, pois seria grande o impacto social e econômico na cidade de Guarulhos-SP, prejuízos que se estendem àqueles que ficarem privados dos medicamentos, além do que estaremos sempre na  defesa da manutenção dos empregos e produção dos medicamentos com custo reduzido a sociedade.

Praia Grande SP, 17 de Outubro de 2019

Sergio Luiz Leite, presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado de São Paulo (FEQUIMFAR)

Antonio Silvan Oliveira, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Químico (CNTQ)

Deixe uma resposta