Força Sindical faz ato, em São Paulo, para marcar o Dia Internacional das Mulheres

0
103

Sindicalistas da Força Sindical realizaram, na manhã desta sexta-feira, 8 de março, um ato, na Estação do Metrô Brás, em homenagem ao Dia Internacional das Mulheres.

As lideranças sindicais distribuíram um panfleto com o título: “Reforma da Previdência também é violência!”, onde manifestam a indignação e alerta a sociedade brasileira sobre a nefasta Reforma da Previdência, que prejudica e penaliza o povo brasileiro e, principalmente, as  trabalhadoras.

Miguel Torres, presidente da Central, alerta que o projeto de Reforma da Previdência, que esta no Congresso Nacional, retira direitos, aumenta a desigualdade social, diminuindo muito os valores pagos e dificulta a aposentadoria dos brasileiros e brasileiras. “Devemos, não só hoje no Dia Internacional das Mulheres, mas todos os dias alertamos a sociedade sobre os prejuízos que todos teremos caso esta reforma seja aprovada da forma que foi apresentada”, ressalta Torres.As lideranças sindicais distribuíram um panfleto com o título: “Reforma da Previdência também é violência!”, onde manifestam a indignação e alerta a sociedade brasileira sobre a nefasta Reforma da Previdência, que prejudica e penaliza o povo brasileiro e, principalmente, as  trabalhadoras.

Entre os absurdos, que o panfleto destaca, está a intenção do governo de quer pagar um benefício com valor menor que um salário mínimo. “O governo quer excluir e dificultar os direitos previdenciários ou retardar o acesso a esses direitos.”

Maria Auxiliadora dos Santos, secretária de Políticas Públicas para as Mulheres da Força Sindical lembra que somente com ampla mobilização das entidades sindicais, união dos trabalhadores e movimentos sociais será possível impedir estes retrocessos.”Neste Março Mulher, estaremos nas ruas, nas portas de fábricas, nas lojas de comércios, para alertar e esclarecer a sociedade sobre esta nefasta reforma da Previdência, que nada mais é que uma forma de violência contra os direitos das mulheres trabalhadoras.”

Fonte: Imprensa da Força Sindical.

Deixe uma resposta