Março Mulher – Químicos participam de debate sobre os impactos da reforma da previdência para a mulher

0
222

Nesta manhã, dirigentes mulheres de várias categorias, entre elas, da categoria Química, estiveram na sede da Fetiasp (Federação da Alimentação), em São Paulo SP, para debater sobre os impactos da reforma da previdência social para a mulher.

O evento foi realizado pela Força Sindical Nacional e Estadual SP, através das respectivas secretarias da mulher.

Laura Santos, secretária da mulher da Força Sindical SP e coordenadora do departamento de mulher da FEQUIMFAR, relembrou a história do 8 de março e comparou com todas as mulheres presentes. “Nossa luta segue adiante por igualdade, equidade, melhores salários e condições de trabalho e vida, e agora, mais do que nunca, por uma aposentadoria justa e digna”, afirmou.

Sergio Luiz Leite, Serginho, presidente da FEQUIMFAR e 1º secretário da Força Sindical, esteve na mesa de abertura e falou sobre a importância da organização de homens e mulheres neste momento em que direitos previdenciários e sociais estão sendo novamente ameaçados, e que, em especial, as mulheres poderão ser as mais atingidas.

O secretário geral da FEQUIMFAR, Edson Dias Bicalho, como membro do Comitê Executivo da IndustriALL, representou a entidade internacional no evento e deu destaque à campanha ‘Sindicatos dizem NÃO à violência’, em que homens e mulheres, em conjunto, buscam a igualdade de oportunidades e o fim da violência contra a mulher.

Danilo Pereira da Silva, presidente da Força Sindical SP, também falou sobre a luta e desafios do movimento sindical, de homens e mulheres trabalhadores, frente aos desafios da crise econômica, desemprego e ataques contra direitos.

Maria Auxiliadora dos Santos, secretária da mulher da Força Sindical e presidente do STI Instrumentos Musicais e Brinquedos, afirma: “A luta para barrar a reforma da Previdência é uma tarefa de todos nós. Temos que alertar e esclarecer a sociedade sobre essa ameaça que é uma verdadeira violência contra os direitos das mulheres trabalhadoras”.

Deixe uma resposta